20 de abril de 2012 | Artigos Científicos, Nossos Resultados | administração Dr. Diocésio Alves informática software

Desenvolvimento de Software para Gerenciamento de Estoque e Manipulação de Medicamentos Antineoplásicos

No intuito de oferecer ao paciente uma terapia segura e de qualidade, o sistema de medicação requer o desenvolvimento de estratégias para minimização de erros, como abordagens padronizadas, desenvolvimento de políticas e procedimentos para melhoria do sistema de diluição/administração de medicamentos e revisão sistemática de erros pela equipe multidisciplinar.

VI Congresso Brasileiro de Farmacêuticos em Oncologia realizado em Brasília-DF

 

Introdução:

Erro de medicação é definido como qualquer evento evitável que, de fato ou potencialmente, pode levar ao uso inadequado do medicamento. No intuito de oferecer ao paciente uma terapia segura e de qualidade, o sistema de medicação requer o desenvolvimento de estratégias para minimização de erros, como abordagens padronizadas, desenvolvimento de políticas e procedimentos para melhoria do sistema de diluição/administração de medicamentos e revisão sistemática de erros pela equipe multidisciplinar.
Objetivo:

Desenvolvimento de software para auxiliar a manipulação segura de quimioterápicos.

 

Métodos:

Através da identificação dos pontos críticos do processo de manipulação e dispensação de medicamentos, como estratégia para redução da incidência de erros, foi desenvolvido software de gerenciamento de estoque baseado na rotina operacional da Farmácia.

 

Resultados:

O programa abrange todo gerenciamento de estoque, desde planilhas de solicitação de compra até saída dos produtos. Após recebimento dos pedidos, os produtos são lançados no estoque, confrontando as informações da Nota Fiscal (NF) com a planilha de compra. A partir da finalização da NF, são geradas etiquetas para identificação individual com: código de barras, nome do produto, lote e validade. Através do código de barras é possível rastrear o histórico do medicamento: fornecedor, data da compra, número da NF e valor pago. O software possui um banco de dados com o “Relatório de Gastos” de todos os pacientes e seus respectivos protocolos onde são relacionados os materiais e medicamentos que serão utilizados pela Enfermagem e Farmácia, com descrição dos itens e quantidade. No momento da separação, localiza-se o “Relatório de Gastos” de acordo com o protocolo agendado. Cada item é passado no leitor de código de barras para identificação e checagem, onde qualquer divergência é detectada e sinalizada ao operador. Cada pacote é selado e identificado com nome do paciente e protocolo. A relação fica no Sistema no modo “stand by” até a liberação do paciente após recebimento do tratamento. Em outra aba denominada “Guia de cálculo”, o farmacêutico lança no sistema: doses, volume da solução e tempo de infusão dos medicamentos dos pacientes do dia. Outro farmacêutico lança novamente os dados, sem visualizar o que foi feito anteriormente. O sistema checa os dados e se houver divergência, o processo é refeito. A quimioterapia é liberada no sistema para manipulação após esta dupla checagem. Na tela “Guia de cálculo”, o farmacêutico seleciona o paciente e visualiza os medicamentos com as informações quanto ao preparo, incluindo cuidados especiais. Os medicamentos e materiais utilizados são verificados por código de barras e existindo divergências, não são liberados pelo sistema. Ao final do preparo de cada medicamento o rótulo é liberado uma única vez e não há mais acesso às informações para o preparo. A cada 30 minutos, o sistema alerta sobre a necessidade de trocar as luvas.

Após a administração e liberação do paciente, o gasto dos materiais e medicamentos é revisto quanto à necessidade de exclusão de itens que não foram utilizados ou adição de itens extras e, ao ser finalizado, é dada baixa dos itens utilizados no estoque e automaticamente liberado para o setor de faturamento.

 

Conclusão:

O sistema aumenta a segurança dos processos, pois evita a troca na identificação das bolsas, duplicidade no preparo do medicamento, erros de cálculos e utilização de diluente, uso de equipo e bolsa inadequados e garante a rastreabilidade total do processo aumentando a segurança do paciente.

 

Autores: Marina M. Suavinha; Rebeca O. L. Silva, Carla L. T. dos Santos, Flávia A. T. Branquinho, Rita C. Lima, Fabrício G. Henrique , Aurélio J. C. Monteiro, Diocésio A. P. de Andrade


Compartilhe

Deixe seu comentário:

+ comentários